O que você deseja encontrar?

Aqui tem tudo o que você procura em um só lugar!

PORTAL CONCÓRDIA - O Portal da Cidade de Concórdia - SC
:( ops! não encontramos o que você buscou.

NOTÍCIA

Leia a notícia abaixo, e aproveite para imprimir ou enviar para um amigo.

Compartilhe:
Caminhoneiros confirmam greve e alegam situação pior que a de 2018
01/02/2021
10h e 08min
Os caminhoneiros planejam uma nova paralisação por tempo indeterminado, começando a partir desta segunda-feira (1). A categoria reivindica melhores condições de trabalho, protesta contra o aumento do preço do combustível, o marco regulatório do transporte marítimo (BR do Mar) e cobra direito a aposentadoria especial, entre outras pautas.

A decisão de promover a greve foi tomada no dia 15 de dezembro do ano passado, em assembleia geral extraordinária do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC). O conselho reúne 40 mil caminhoneiros em São Paulo e tem afiliados em outros estados. Mas, como são várias as entidades que representam a categoria, ainda não se sabe que tamanho terá a mobilização.

Em 2018, no governo do ex-presidente Michel Temer, o grupo realizou uma paralisação que durou dez dias, afetando o sistema de distribuição em todo o país. Dessa vez, segundo Plínio Dias, presidente do CNTRC, a situação é "pior" do que a que levou à mobilização naquele ano eleitoral. A categoria apoiou em peso, na ocasião, a candidatura de Jair Bolsonaro.

Na semana passada Bolsonaro fez um apelo aos motoristas para que adiassem a greve. Segundo ele, o governo estuda alternativas para reduzir o PIS/Cofins e, por consequência, o preço do diesel. Bolsonaro ressaltou que a saída, no entanto, não será fácil.

Plínio Dias estima que até 80% dos caminhoneiros poderão aderir à mobilização, que também recebe o apoio da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP). Tanto o CNTRC quanto a FNP são ligadas à Central Única dos Trabalhadores (CUT).

"As nossas pautas, que a gente trabalhou em 2018, a gente ganhou e não levou. O que funciona é só o eixo erguido do pedágio, pra não pagar. Todas as reivindicações de 2018 não vingaram, só uma, que é a do eixo erguido", explicou.

Segundo Plínio, a orientação é que as pistas não sejam totalmente interditadas e que ônibus, caminhões com insumos hospitalares e os com carga viva tenham livre passagem. Ele afirma ainda que a duração da mobilização depende de um acordo entre os agentes políticos.

"Se os caminhoneiros tivessem sido atendidos antes de segunda-feira, não haveria paralisação. (...) É prazo indeterminado até o governo chamar, o senhor presidente Bolsonaro, chamar o conselho e também juntamente com a categoria, para a gente fazer uma reunião aberta, para decidir o que vai acontecer com a nossa pauta. Da maneira que está, ninguém vai trabalhar, não", afirmou.

Entre as pautas, está o posicionamento contra o projeto de Lei da BR do Mar, que, segundo, a categoria, afeta diretamente políticas públicas fundamentais conquistadas e pleiteadas ao setor de transporte autônomo rodoviário de cargas, em detrimento de empresas estrangeiras. Plínio defende que seja analisado o impacto social da pauta para que ela seja reconstruída de uma maneira que não prejudique os caminhoneiros.

"É um projeto desastroso, que o ministro Tarcísio falou que iria tirar a urgência desse projeto. Afirmando que fariam as audiência públicas. Como ele não cumpriu com a palavra, não retirou a urgência. Nossa categoria está muito preocupada porque se isso daí for passar no Senado e for sancionado pelo presidente, essas empresas estrangeiras vão só usar as cotas próprias. Eles querem baratear 40% e ainda querem retirar as cargas das viagens longas dos caminhoneiros. Nesse projeto, não foram feitas audiências públicas para ver o impacto social. Esse projeto não fala do lado humano dos caminhoneiros que vivem nos portos", apontou.

Plínio sinalizou ainda que a diminuição de caminhoneiros em rotas longas pode vir a impactar famílias que vivem nas estradas e tiram suas rendas da manutenção dos caminhões.

Fonte: Rádio Rural


Deixe seu comentário para a notícia:

"Caminhoneiros confirmam greve e alegam situação pior que a de 2018"

  seu email não será publicado.
caracteres restantes.





ÚLTIMAS NOTÍCIAS DA CATEGORIA GERAL


19/04/2021 - Geral

A semana que está começando será de vacinação contra a covid-19 em Concórdia. A administração municipal preparou um cronograma de imunização em, pelo menos, três dias seguidos: segunda, terça e quarta-feira, dias 19, 20 e 21 de abril - incluindo o...

19/04/2021 - Geral

Começou na semana passada a Campanha Nacional de Imunização contra o H1N1 em todo o país. Em Concórdia, a vacinação já é realizata também e atingiu cerca de 4,5% do público-alvo total, isso é, 812 pessoas das cerca de 19.500 aguardadas pela equipe de...

19/04/2021 - Geral

O setor de eventos está se preparando para uma retomada de atividades em um novo formato. Atualmente a atuação desse ramo, que reúne público, está proibida. O cancelamento ou adiamento de eventos desde o começo da pandemia interrompeu uma cadeia de...

19/04/2021 - Geral

Após um indicativo de melhora na última semana, a região do Alto Uruguai de Santa Catarina apresentou as piores notas nos quatro quesitos da metodologia do Centro de Operações de Emergência em Saúde, o Coes, para transmissão do novo coronavírus. A...

19/04/2021 - Geral

A Secretaria Municipal de Saúde irá vacinar pessoas com 66 anos completos ou mais, contra à Covid-19, na segunda-feira, dia 19 de abril. A ação seguirá no formato drive-trhu (dentro dos carros) no Parque de Exposições, das 8h às 11h. Essa faixa...


SHOPPING


Cris Perotti | Fisioterapia Dermato-Funcional e...

a partir de
R$ 14,00
Kobacafé | Lanchonete, Pizzaria e Restaurante

a partir de
R$ 11,00
Kobacafé | Lanchonete, Pizzaria e Restaurante

a partir de
R$ 20,00
Con Animal - Sociedade Concordiense de Ajuda e...

a partir de
R$ 15,50
Kobacafé | Lanchonete, Pizzaria e Restaurante

a partir de
R$ 140,00
CCAA | Escola de Idiomas

a partir de
R$ 15,00
Kobacafé | Lanchonete, Pizzaria e Restaurante

a partir de
R$ 140,00
CCAA | Escola de Idiomas